Erdogan amplia poderes após ser reeleito na Turquia

Os chefes dos governos húngaro e búlgaro foram os primeiros dirigentes de Estados-membros da União Europeia (UE) a dirigir uma mensagem de felicitações a Erdogan, que lidera a Turquia há 15 anos e foi reeleito para um novo mandato de cinco anos.

Entretanto, desta vez Erdogan terá ainda mais poderes em relação ao mandato anterior, como se a centralização do poder executivo quando da mudança de regime parlamentarista para presidencialista  em 2016 não tivesse sido suficiente; agora, o  gabinete do primeiro-ministro será abolido, e Erdogan poderá emitir decretos para formar e regular os ministérios e remover funcionários públicos, tudo sem aprovação parlamentar.

Tais mudanças foram aprovaram em referendo no ano passado, quando o líder mais popular da história moderna da Turquia, convenceu os turcos da necessidade de ter mais poderes. É importante lembrar que o presidente turco é amado por milhões de turcos muçulmanos da classe trabalhadora por capitanear anos de crescimento econômico exemplar e a construção de estradas, pontes, aeroportos, hospitais e escolas.

“Está fora de cogitação para nós agora recuar do ponto a que trouxemos nosso país em termos de democracia e da economia”, palavras de Edorgan após a reeleição, neste domingo.

Anúncios